O QUE É O MACAXEIRASSUPERPODEROSAS?

Amigos este espaço foi criado para homens e mulheres de bem, que não andam satisfeitos com a rumo que está tomando este país! Portanto estamos convidando todos os homens e mulheres que ainda acreditam em um BRASIL - UM PAÍS DE TODOS realmente a nos seguir e interagir! Temos espaço para 97 autores aqui! Quem quiser participar como autor do blog por favor entre em contato deixando um comentário no mural de recados abaixo, e claro com e-mail para que possamos cadastrá-los como autores. O e-mail é para podermos lhes enviar o convite, depois é só aceitar e começar a postar!
E vocês também podem colaborar com as paginas do Voto Distrital no facebook!

AQUI O CIDADÃO TEM LUGAR

45 MOTIVOS PARA CONTINUAR ACREDITANDO:

LEIA TODAS AS MANCHETES ABAIXO, E VEJA O QUE ESTÃO FAZENDO COM NOSSO PAÍS!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

MARCO AURÉLIO MELO E SUA FALÁCIA DA COMPOSIÇÃO!

Atualizado: 28/12/2011 3:08
'Não podemos presumir que todos sejam salafrários na Justiça'

PREZADO MINISTRO, ME DESCULPE, MAS CABE AQUI UMA CORREÇÃO: A QUESTÃO NÃO É PRESUMIR SE UNS SÃO E OUTROS NÃO SÃO SALAFRÁRIOS! A FRASE CORRETA DEVERIA SER: "NÃO PODEMOS PRESUMIR A EXISTÊNCIA DE SALAFRÁRIOS NA JUSTIÇA!"

Marco Aurélio Mello, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) que pôs fogo na celeuma em torno do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) ao decidir liminarmente que a competência do órgão criado pela emenda 45 (Reforma do Judiciário) é subsidiária à atuação dos tribunais no julgamento de processos administrativos e disciplinares, cobra enfaticamente investigação criminal contra o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras). 'Quebrar sigilo que você guarde em razão da função exercida, atendendo a pleito administrativo implica em violação ao Código Penal', argumenta o ministro, referindo-se a dados que o Coaf transmitiu ao CNJ sobre 217 mil servidores e juízes.

Mello falou sobre o CNJ, da atuação do Coaf e da sua liminar, que barrou a cruzada da ministra Eliana Calmon, corregedora nacional de Justiça.

O Coaf errou?

O Coaf não podia passar (os dados), quem passou perdeu o rumo constitucional. O ato é passível de processo crime. Os dados protegidos pelo sigilo só podem ser comunicados por ordem judicial. O Ministério Público deve requisitar investigação sobre essa conduta. Temos que coibir essa forma de procedimento e isso só se inibe afastando o sentimento de impunidade. O Coaf não podia ter passado para o CNJ os dados de 217 mil pessoas, é algo que merece excomunhão maior. A iniciativa foi do ministro Dipp (Gilson Dipp, antecessor de Eliana). Ele solicitou ao Coaf. Mas o Coaf não podia passar.

O ministro Cézar Peluso recebeu R$ 700 mil por atrasados e auxílio moradia. O que acha?

Todos nós recebemos esses atrasados, inclusive a própria corregedora (Calmon). Eu recebi já no Supremo e todos os ministros receberam, assim como os magistrados dos tribunais em geral, tribunais superiores e tribunais nos Estados. Não representa privilégio. Não sei quanto a corregedora recebeu, imagino que deve ter recebido mais ou menos isso que recebeu o ministro Peluso. Não acredito que ela (Eliana)tenha se recusado a receber.

Por que o sr. deu a liminar no último dia de atuação do STF?

Esse processo estava em pauta desde 5 de setembro. Eu não ia lavar as mãos e deixar para julgar em fevereiro. Posso pecar por ato comissivo, mas omissivo jamais. Não passa pela minha atuação judicante. Minha decisão busca conciliar valores. A tensão é natural. A atividade do CNJ é fiscalizadora no âmbito administrativo. Temos que conciliar o CNJ com a autonomia administrativa e financeira dos tribunais. É inconcebível que se tenha uma corregedoria substituindo 60 outras corregedorias de todo o País. Se a liminar for confirmada haverá consequências jurídicas. As críticas revelam visão apaixonada. Vivemos numa federação. Fui o único que votou pela inconstitucionalidade do CNJ. O Tribunal de Justiça representa o Poder Judiciário no Estado. Imagine um conselho criado para fiscalizar o Executivo ou um conselho para fiscalizar o Legislativo em todos os Estados. Ninguém quer esvaziar o CNJ. Mas não podemos presumir que todos sejam salafrários até prova em contrário. Isso não interessa à sociedade, a fragilização do Judiciário.

O CNJ está na mão errada?


A concentração de poderes é perniciosa, própria do regime totalitário. Quando se admite concentração de poderes estimula-se o excesso. Há riscos permanentes à Constituição, o nosso dever é preservar princípios definitivos da Carta. A regra é o sigilo. A exceção é o afastamento (do sigilo) por ordem judicial e, mesmo assim, para investigações ou instrução criminal, diante de caso concreto. Ninguém está contra o CNJ, só que o CNJ também tem de se submeter a balizas constitucionais. No âmbito administrativo nem o presidente da República pode quebrar sigilo. Quando o CNJ não observa regras a tendência é de ir de mal a pior. E o chicote muda de mãos.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

BRASILEIROS, ISTO ACONTECE EM UM MUNICÍPIO DE 2.647 HABITANTES!

video



MPE revela esquema de mensalão no município de Vila Flor

Ministério Público do Rio Grande do Norte deflagrou no início desta segunda-feira (19) a Operação Mensalão da Vila, que investiga o pagamento de vantagem ilícita mais popularmente conhecida por mensalão no município de Vila Flor, uma das menores cidades do Estado, situada no Litoral Sul, distante pouco mais de 70 quilômetros da Capital.

Vila Flor: Suspeitos prestam depoimento e são encaminhados ao ItepVila Flor: mandados foram expedidos pelo TJVila Flor: presidente da Câmara está entre os presosPrefeito e vereadores de Vila Flor são presos sob suspeita de corrupçãoA Operação iniciada nas primeiras horas da manhã, capitaneada pela Assessoria Jurídica Judicial da Procuradoria-Geral de Justiça e pelo Grupo de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado (GAECO) mobilizou 22 Promotores de Justiça, em parceria com a Polícia Militar, e deu cumprimento a 19 mandados de buscas e apreensões, e a nove mandados de prisões preventivas de pessoas supostamente envolvidas em crimes de corrupção e contra a administração pública, devidamente expedidos pelo Desembargador Dilermando Mota.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

ALÔ POVO DE RONDÔNIA! SORRIA, VOCÊ ESTA SENDO ROUBADO!

“Sindicatos da Saúde são enganados pelo Governo”
Na Lei da Terceirização, os profissionais ficariam a disposição das Organizações compulsoriamente, e caso não aceitassem seriam colocados a disposição da secretaria.

Na semana passada, os Presidentes dos Sindicatos da saúde (SINDSAÚDE, SIMERO E SINTRAER) e seus advogados, reuniram-se com os técnicos do Governo, Sérgio Campos e Luiz Bandeira, para analisar a lei da Terceirização e apresentar algumas modificações.

No estudo, foi evidenciado que a intenção do Governo é entregar a administração dos hospitais para as Organizações Sociais, e, conseqüentemente, todos os bens, materiais e mão-de-obra (funcionários) entrariam no pacote.

As Organizações Sociais pegariam tudo de mão-beijada: prédios sem pagar aluguel, utilização da energia de graça, material e medicação fornecidos pelo próprio Governo e, principalmente, mão-de-obra gratuita.

Na Lei da Terceirização, os profissionais ficariam a disposição das Organizações compulsoriamente, e caso não aceitassem seriam colocados a disposição da secretaria, sendo lotado ou não em outro hospital. Para piorar ainda, se recusassem iriam ficar encostados, recebendo apenas 40% (quarenta por cento) do vencimento.

Outras falhas apontadas pelos sindicalistas são as seguintes:

domingo, 27 de novembro de 2011

VAMOS DESAPROPRIAR, DEPOIS PENSAMOS NOS DESAPROPRIADOS!



CID GOMES! AQUI PROCÊ ÓOOOO!

Cid Gomes faz em menos de dois minutos o que ninguém fez em menos de dois anos

Obras públicas de bom tamanho exigem estudos preliminares profundos e extensos, orçamentos, cronogramas, editais, licitações, exames de propostas, fiscalização e outras providências que, somadas, escavam um espaço de tempo necessariamente dilatado entre a concepção da ideia e os trabalhos de parto. Não é coisa que se faça da noite para o dia, certo? Depende. No Ceará, por exemplo, o governador Cid Gomes é capaz de fazer em menos de dois minutos o que, até hoje, ninguém fez em menos de dois anos.
No vídeo que registra a conversa entre o governador e um empresário, por exemplo, Cid tangencia, desapropria, verticaliza, constrói, financia, patrocina ─ faz o que ele chama de “rolo” em exatamente 1min47. O país quer saber o que o craque da objetividade está dizendo ao construtor. Convém chamar um tradutor independente.

Mídia Sem Máscara - PT e Dilma são o pai e a mãe das mentiras e da corrupção

Os brasileiros somente conseguirão combatê-las se começarem, como digo sempre, a “dar nomes aos bois”, ou dar os nomes dos pais e da mães das mentiras e da corrupção.


Mídia Sem Máscara - PT e Dilma são o pai e a mãe das mentiras e da corrupção

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

MOVIMENTO GOTA D'ÁGUA!



O País quer Saber
Os artistas que contestam a usina não têm nada a dizer sobre a corrupção impune?

Decidido a paralisar as obras da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, o Movimento Gota D’Água recorreu a uma fórmula tão singela quanto infalível: um recado conciso e direto, um elenco de celebridades globais e um vídeo de 5 minutos distribuído pela internet. Quem assiste ao filme é convidado por rostos e vozes familiares a assinar uma petição que reivindica a interrupção do projeto e conseguir a adesão de mais dez amigos. Milhares de assinaturas colhidas em 24 horas confirmaram o sucesso da idéia. Sempre funciona.

Também por isso, o país quer saber: o que esperam as mesmas celebridades para juntar-se num vídeo que estimule os brasileiros a mobilizar-se contra a corrupção impune?

domingo, 20 de novembro de 2011

SABEM POR QUE, QUEREM TANTO CALAR A IMPRENSA?


FRASES DO DIA 20/11/11 AQUI TODO MUNDO TEM CARA!

O repouso do guerreiro

“E quando estiver muito cansado dessa guerra vai repousar no seu refúgio que não é uma mansão em Angra dos Reis, nem uma fazenda em Goiás, sequer uma casa em Búzios, e sim um pequeno sítio em Magé. Que corrupto é esse? Que País é esse?”

Angela Rocha, mulher de Carlos Lupi, em texto publicado no site do PDT, mostrando-se convencida de que, quando terminar a guerra contra a moral, os bons costumes e os cofres públicos, o marido vai descansar longe da cadeia.


Espetáculo do crescimento


“No primeiro governo do Lula, o Zé Dirceu já queria essa trempe aí de PT com PMDB, com cimento de fisiologia. E o Lula resistiu. Eu testemunhei isso. Depois da crise do mensalão ele resolveu ceder.”


Ciro Gomes, em entrevista à Folha, informando que o que chama de “ajuntamento de assaltantes” vai muito além das fronteiras do PMDB.


Vida dura

“Não é um auxílio-terno, mas um plus a mais ao salário do parlamentar. O agente público tem que ser bem remunerado. Nos outros poderes também há auxílios. Por que o Legislativo não pode ter?”

José Bittencourt, deputado do PSD de São Paulo, explicando que os representantes do povo paulista precisam do auxílio-paletó de 40 mil reais por ano porque é impossível vestir-se adequadamente só com o dinheiro da venda de emendas.


Tradição ameaçada

“Há coisas muito imorais em outras instituições do país, que não no Legislativo. Não há nada de errado no pagamento dessa gratificação.”

Barros Munhoz, presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, indignado com a suspensão da verba de 40 mil reais que cada deputado recebe por ano para comprar paletós, peça indispensável a todo criminoso de colarinho branco, revelando que os parlamentares acham que não fica bem assaltar cofres públicos com o uniforme incompleto.


Sinceridade é isso

“Agnelo Queiroz apoiou a quebra de sigilo do inquérito e encara com naturalidade as medidas do Ministério Público Federal e do Superior Tribunal de Justiça.”

Trecho da nota da assessoria do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, informando que o chefe reconhece que deve ser tratado como bandido.


Tremendo bode

“A reitoria traz coturnos, controles e revistas, rasantes de helicópteros, que rasgam o pensamento e a escuta (que atenção resiste à rotação das hélices?), e bombas; logo virão cães… Insiste em ações de respostas e sequelas imprevisíveis. Já se tem os vultos cauta e justamente encapuzados dos nossos estudantes contra a reitoria ditatorial e policialesca.”

Trecho do artigo publicado na Folha desta sexta-feira sobre as arruaças promovidas por baderneiros da USP, redigido em dilmês erudito e assinado pelos professores Francisco Alambert, Francisco de Oliveira, Jorge Grespan, Lincoln Secco, Luiz Renato Martins e Marcos Soares, garantindo que, conforme a dose, os efeitos vão muito além da aparição de cobras e lagartos na parede ou de rasantes de esquadrilhas formadas por morcegos invisíveis.


Chegou quem faltava

“O presidente Lula sair de São Bernardo, descer em Brasília, fazer reunião com Sarney e tal para tratar de temas da coisa, diminui a personalidade da Presidência da República. No telefone tudo bem, é uma colaboração sempre bem-vinda.”


Ciro Gomes, em entrevista à Folha, recomendando a Lula que exerça o terceiro mandato presidencial por telefone.


A serviço da nação


“Ajudamos a eleger a presidente, ganhamos juntos a eleição. Esse governo também é nosso e devemos permanecer.”


Salvador Zimbaldi, deputado do PDT de São Paulo, sobre as bandalheiras de Carlos Lupi no Ministério do Trabalho, explicando que não se pode punir a quadrilha inteira pelo que fez um quadrilheiro.


O amor constrói

“Depois da audiência no Senado, entendo que o partido não está mais dividido. E a maioria apoia a permanência de Lupi. Eu mesmo estava em dúvida, mas, depois dos esclarecimentos prestados pelo ministro, não vejo nada que desabone sua conduta ou comprometa sua estada no ministério.”

Acir Gurgacz, líder do PDT no Senado, revelando que, depois da constatação de que é verdadeiro o sentimento que une Carlos Lupi e Dilma Rousseff, nada justifica a separação do casal.


Como é que é?

“Por que não propor a mudança do teor ermo e rural do campus por sua urbanização efetiva, o aumento de cursos noturnos etc.?”

Trecho do artigo publicado na Folha desta sexta-feira sobre as arruaças promovidas por baderneiros da USP, redigido em dilmês erudito e assinado pelos professores Francisco Alambert, Francisco de Oliveira, Jorge Grespan, Lincoln Secco, Luiz Renato Martins e Marcos Soares, aparentemente propondo a ocupação dos espaços da Cidade Universitária por conjuntos habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida e por acampamentos do MST.

Coração volúvel

“Meu amor, unanimidade, só Jesus Cristo.”

Carlos Lupi, uma semana depois da declaração de amor a Dilma Rousseff, reforçando a suspeita de que o galã de bolerão diz isso para todas.

Rufião de cabaré

“Foi crime ter falhado na hora do nome?!”

Carlos Lupi, fazendo de conta que ignora a diferença entre crime, cretinice, cinismo e ideia de jerico.

Esse é do ramo

“Eu ajudei a vender jornal. Agora continuo ajudando, né?”

Carlos Lupi, ex-jornaleiro, ainda ministro do Trabalho e futuro dirigente da Associação das ONGs Dependentes dos Cofres Públicos, ensinando que a circulação dos jornais costuma aumentar quando aparece um tremendo caso de polícia.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

PARECE QUE É O ÚNICO QUE ESTÁ COM MEDO!


Bancários recebem petista envolvido com o Mensalão
Delúbio Soares fará palestra em sindicato na Capital; ele se compara a Jesus Cristo

Seis anos após o escândalo do mensalão, Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT e réu no processo, começa a percorrer o país para disseminar a tese de que é inocente. Na campanha por mobilização em sua defesa, ele tem recebido tratamento de "pop star". Vai estar nesta sexta à noite no sindicato dos Bancários, em Cuiabá.

Delúbio fará espécie de palestra para sindicalistas e militantes da corrente Construindo um Novo Brasil, da qual fazem parte o secretário estadual de Educação Saguás Moraes, o ex-deputado estadual Alexandre Cesar e o ex-federal Carlos Abicalil.

A diretoria do sindicato disparou telefones e convites para dezenas de pessoas com vistas a prestigiar Delúbio, que havia sido expulso do PT em 2005 por estar no centro das denúncias e reintegrou a legenda em maio deste ano. Essa iniciativa de abrir trégua a Delúbio expõe a categoria dos bancários.

Os mais engajados no sindicato se identificam como petistas e não demonstram o mínimo receio de se aliar ao ex-tesoureiro, que ajudou a manchar o PT por causa de problemas éticos e orgânicos.

Nas visitas à capitais e a outras grandes cidades, Delúbio lança CD  interativo e um livreto de 80 páginas com a cópia de sua defesa e citações do jurista Ruy Barbosa (1849-1923), fotos, artigos, notícias e outros itens de seu site na internet.

Ele tem orientado os organizadores a não permitir entrada de jornalistas, justamente para evitar constrangimento. Assim, sente-se à vontade para apresentar a versão dos fatos que entender conveniente.


Se condenado pelo Supremo Tribunal Federal, Delúbio pode pegar até 111 anos de prisão pelos supostos crimes de formação de quadrilha, corrupção ativa e lavagem de dinheiro. 

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Finalmente, vejo vocês novamente, e isso me deixa contente... sinceramente!

video

Peço a todos a gentileza de ouvirem
a mensagem deste vídeo, gravado
por vários artista brasileiros.
Peço também que todos se manifestem
e assinem a petição que estão
pedindo.Nós, as Crocantinhas
estamos lutando pela preservação
do meio ambiente, no Brasil e
em qualquer parte do planeta!

Você amigo ou amiga que estão vendo e lendo aqui, têm um compromisso moral, de pelo menos tentar, eu disse tentar impedir que isso aconteça! Eu já assinei, e acho que todo brasileiro de bom senso, e que valoriza seus impostos deve assinar também!
Agora eu gostaria de perguntar uma coisa! O que os políticos da região fizeram para impedir esta barbaridade? Tenho certeza que uns poucos, que não foram comprados tentaram! Mas infelizmente como podemos ver em nosso dia a dia, apenas uns poucos políticos estão comprometidos com a vontade do povo!
Por isso peço a todos vocês, que assinem e divulguem o manifesto pelo voto distrital, pois só assim vamos poder extirpar do congresso aqueles políticos que estão lá plantados por alguém, ou em busca de enriquecimento fácil as custas de nossos impostos e do sofrimento de milhões de brasileiros!
Aqui no blog tem um formulário de coleta de assinaturas!

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

MANUAL PRÁTICO PARA SE COMER PEQUI


Pobre povão! ... e ainda deram um índice tão alto, para o mentor de toda esta trapaça, todo este condenável nepotismo, que ainda continua mexendo os pauzinhos, para as sucessões que se aproximam. Só nos resta rezar, e rezar muito!...

Talvez muitos já saibam, mas não custa nada relembrar.

O PAULO BERNARDO – MINISTRO DAS COMUNICAÇÕES É MARIDO DA SENADORA GLEISI HOFFMANN – CHEFE DA CASA CIVIL. (Essa eu sabia)

O GILBERTO CARVALHO – SECRETÁRIO GERAL DA PRESIDÊNCIA É IRMÃO DA MIRIAN BELCHIOR, MINISTRA DO PLANEJAMENTO. (Essa eu Não sabia)

ESSA MIRIAN BELCHIOR JÁ FOI CASADA COM O CELSO DANIEL, EX-PREFEITO DE SANTO ANDRÉ, QUE MORREU ASSASSINADO. (Também não sabia)


A doutora Elizabete Sato, delegada que foi escalada para investigar o processo sobre o assassinato do Prefeito de Santo André, Celso Daniel, é tia de Marcelo Sato, marido da Lurian, que, apenas por coincidência, é filha do ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva. (Acho que ninguém sabia)


Exatamente: Marcelo Sato, o genro do presidente da República, é sobrinho da Delegada Elisabete Sato, Titular do 78º DP, que demorou séculos para concluir que o caso Celso Daniel foi um "crime comum", sem motivação política. (ta cheirando a maracutaia)


Também apenas por coincidência, Marcelo Sato é dono de uma empresa de assessoria que presta serviços ao BESC - Banco de Santa Catarina - BESC (federalizado), no qual é dirigente Jorge Lorenzetti (churrasqueiro oficial do presidente Lula e um dos petistas envolvidos no escândalo da compra de dossiês). (enrolou tudo agora)


E ainda, por outra incrível coincidência, o marido da senadora Ideli Salvatti (PT) é o Presidente do BESC. (viche Maria, que quadrilha)


CONCLUSÃO:

"O POVO TÁ DORMINNO. NÓIS TÁ ACORDADO. NÓIS CUMPANHERO SOMO VERDADERAMENTE UNIDO PRA FAZÊ O QUE NUNCA ANTES FOI FEITO NESSE PAÍS"


(E agora, fazer o quê? Só nos resta divulgar e cair nas mãos de um político sério....Político sério? Onde?)

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

A MENTIRA TEM PERNAS E ASAS CURTAS! E ORELHAS BEM GRANDES!


Site divulga fotos que desmentem versão de Lupi
Ministro havia dito que não conhecia Adair Meira e que jamais havia embarcado em avião King Air. Mas novas imagens provam que ministro mentiu

O então secretário de Políticas Públicas de emprego do Ministério Ezequiel Nascimento desce de avião avião King Air, de prefixo PT-ONJ, no Maranhão, seguido pelo ministro do Trabalho, Carlos Lupi (no destaque) (Reprodução)

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, mentiu na semana passada ao dizer que não conhece o gaúcho Adair Meira, dono de três ONGs que têm contratos milionários com a pasta. Adair providenciou um avião King Air, de prefixo PT-ONJ, para que Lupi cumprisse uma agenda oficial em sete municípios do Maranhão, em dezembro de 2009.

No sábado, numa tentativa de reagir ao fato revelado por VEJA, Lupi não só ratificou a mentira como decidiu ampliá-la, num comunicado divulgado a toda a população. No texto, Lupi afirma que viajou pelo estado a bordo apenas de aviões Sêneca, providenciados por dirigentes do PDT.

Chegou a divulgar fotos dessas aeronaves em aeroportos do interior rodeadas de populares. As fotos não provam que Lupi desembarcou ou embarcou sempre em Sêneca. Nem poderiam. Fotos divulgadas hoje pelo portal www.grajaudefato.com.br mostram o ministro desembarcando no município de Grajaú justamente no King Air providenciado por Adair Meira.

E não apenas Lupi, como também o ex-secretário de Políticas Públicas de emprego do Ministério Ezequiel Nascimento. Ezequiel foi quem contou a VEJA que coube a Meira, dono das ONGs que fraudaram o governo, a pagar otour maranhense de Lupi. Abaixo, as fotos que derrubam a farsa do ministro.

domingo, 13 de novembro de 2011

POVO DO PARÁ - NÃO DEIXE


QUEREM TRANSFORMAR SEU ESTADO EM


Datafolha: divisão do Pará é reprovada por 58% dos eleitores

Uma pesquisa do Instituto Datafolha divulgada na sexta-feira apontou que a divisão do Pará é rejeitada por 58% dos eleitores do Estado. O percentual de rejeição é o mesmo tanto para a criação do Estado do Carajás quanto para a criação do Tapajós.

Os favoráveis à implantação são 33% em ambos os casos. A pesquisa foi encomendada pelo jornal Folha de S. Paulo,TV Liberal e TV Tapajós (afiliadas na Rede Globo no Pará), e ouviu 880 eleitores entre 7 e 10 de novembro. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

De acordo com o levantamento, porém, apenas 19% dos entrevistados se consideraram bem informados sobre o plebiscito que ocorrerá em 11 de dezembro. Entre os indecisos, 8% responderam que não sabem se são a favor da criação do Carajás.


No caso de Tapajós, 10% afirmaram não saber. A soma dos percentuais chega a 99% e a 101% devido ao arredondamento, já que o instituto não trabalha com números decimais.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

MAIS UM DE BOM SENSO!



Carlos Moreno diz #EuVotoDistrital

Nesta semana, o mobilizador Emygdio Neto fez uma apresentação no TEDxTombo e falou sobre mobilização e voto distrital. No evento, diversas pessoas já conheciam o #EuVotoDistrital e outras ficaram muito interessadas.

Um dos participantes foi o Carlos Moreno, “garoto-bombril”, que já conhecia o movimento e apoia a causa. Emygdio logo sacou o seu celular e aproveitou a oportunidade para gravar um depoimento com ele.


Vocês conferem agora as belas palavras de Carlos Moreno sobre o #EuVotoDistrital. Ajude a espalhar esta ideia compartilhando o vídeo com a sua rede. E se quiser, envie também um depoimento para nós.


quinta-feira, 27 de outubro de 2011

TOMOGRAFIA DA CORRUPÇÃO! BRASILEIROS, ESTES DESVIOS FAZEM FALTA NA SAÚDE, EDUCAÇÃO E SEGURANÇA!



Antonio Palocci
Primeira baixa do governo Dilma, Palocci estava à frente da Casa Civil para articular as negociações políticas do Planalto

A queda do ministro-chefe da Casa Civil Antonio Palocci foi a primeira baixa do governo Dilma Rousseff. Responsável por toda a articulação política do Palácio do Planalto, Palocci não suportou a onda de denúncias sobre seu patrimônio pessoal e pediu demissão, alegando que assim sua permanência prejudicaria a ‘continuidade do debate político’. No seu lugar, assumiu Gleisi Hoffmann.

A trajetória política de Palocci teve início na Prefeitura de Ribeirão Preto, seu reduto eleitoral. Por duas vezes, o ex-ministro foi responsável pela gestão da cidade. No segundo mandato, em 2002, pede licença e passa a ser coordenador da campanha de Lula à Presidência. Com a posse de Lula, assume o cargo de ministro da Fazenda.

É demitido por escândalos de quebra de sigilo. Em outubro de 2008 volta à atividade parlamentar quando é eleito deputado federal. Julgado inocente no caso de quebra de sigilo, Palocci assume a coordenação da campanha de Dilma Rousseff em 2010 e, com a posse de Dilma, é nomeado ministro-chefe da Casa Civil. Sem apoio até mesmo no PT, Palocci deixa o cargo em maio de 2011.

MP vai investigar compra de apartamento de Palocci

Promotores vão apurar suposta lavagem em negócio de R$ 4 milhões envolvendo ex-ministro e o petista Gesmo Siqueira

O Ministério Público Estadual decidiu abrir investigação sobre suposto crime de lavagem de dinheiro envolvendo a compra do apartamento ocupado desde setembro de 2007 pelo ex-ministro Antonio Palocci (Casa Civil), em Moema, zona sul de São Paulo. O imóvel, avaliado em R$ 4 milhões, pertence a Gesmo Siqueira dos Santos, filiado ao PT de Mauá (Grande São Paulo) há 23 anos e com folha corrida com mais de 120 inquéritos policiais.

A apuração ficará sob responsabilidade do Grupo de Atuação Especial de Repressão à Formação de Cartéis e à Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos (Gedec), braço do Ministério Público. A medida foi tomada pela Procuradoria-Geral de Justiça a partir de representação do PSDB paulista, subscrita pelo deputado Pedro Tobias.

A procuradoria também encaminhou cópia da petição ao chefe do Ministério Público Federal, Roberto Gurgel, para um segundo procedimento sobre eventual improbidade envolvendo Palocci. O aluguel do apartamento é de cerca de R$ 15 mil. Quando Palocci o alugou recebia R$ 16 mil como parlamentar. Na Procuradoria da República do Distrito Federal já existe investigação de âmbito civil sobre as atividades de uma consultoria de Palocci, a Projeto.

Em outra representação do PSDB, os senadores Álvaro Dias (PR) e Demóstenes Torres (GO) sustentam que "parece clara a prática de fraude mediante simulação, pois o apartamento teria sido adquirido pelo ex-ministro e registrado no nome de terceiro". Para os tucanos, "os indícios apontam para a prática de atos simulados que tinham como objetivo a fruição, pelo ex-ministro, do imóvel, sem que seu nome aparecesse ligado à propriedade do bem".

O criminalista José Roberto Batochio, advogado de Palocci, rechaçou suspeitas de irregularidade. "A locação do imóvel se deu mediante absoluta licitude, por meio de uma imobiliária, dentro dos parâmetros legais. Quanto ao dono do imóvel não sabe nem compete a ele averiguar. Senão, ao comprar um automóvel vão querer saber quem é o mecânico que apertou o parafuso."

Crise derruba Palocci e obriga Dilma a mudar governo

Sem apoio na base e com silêncio da presidente, ministro negociou saída da Casa Civil alegando que sua permanência custaria 'a continuidade do embate político'; Gleisi Hoffmann assume

BRASÍLIA - Vinte e três dias depois de provocar a maior crise política no governo de Dilma Rousseff por causa das suspeitas de enriquecimento ilícito e tráfico de influência a partir da revelação de um significativo aumento patrimonial nos últimos quatro anos, Antonio Palocci pediu nesta terça-feira, 7, demissão da Casa Civil. Ele será substituído pela senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que toma posse nesta quarta-feira, 8, às 17 horas, no Palácio do Planalto.

Técnica especializada em orçamento e política, Gleisi é um antigo quadro do PT. Apesar de a crise envolvendo Palocci ter exposto a fragilidade da articulação política do governo, a senadora do PT deve exercer no governo um papel gerencial, semelhante ao que a presidente teve no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva - uma espécie de "Dilma da Dilma". Numa entrevista na noite desta terça-feira, 7, logo depois de ter sido escolhida, Gleisi Hoffmann disse que Dilma a considera com um perfil para o que quer na Casa Civil: trabalho de gestão e de acompanhamento de projetos.

Desintegração. Mesmo obtendo um "nada consta" na segunda-feira do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que mandou arquivar todas as acusações que lhe foram feitas pelos partidos de oposição, Palocci não resistiu ao processo de desintegração de seu capital político diante do cerco de aliados.

O destino de Palocci foi selado nesta terça pela manhã, no gabinete de Dilma Rousseff, no terceiro andar do Palácio do Planalto. Numa conversa de 50 minutos, que começou às 10h55, os dois acertaram a saída. A conversa acabou por atrasar o início da cerimônia Rio+20, que Dilma iria presidir. Os dois chegaram juntos à solenidade. Palocci já estava fora, mas esbanjou sorrisos. Ele ainda participou da um almoço com a presidente e os senadores do PTB, no Palácio da Alvorada.

Despedida. No final da tarde desta terça Palocci, o mais poderoso ministro do governo de Dilma Rousseff, entregou a carta de demissão. Disse que considerou "robusta" a manifestação do procurador-geral da República o que, segundo ele, confirmou a "retidão de suas atividades profissionais no período recente, bem como a inexistência de qualquer fundamento, ainda que mínimo, nas alegações apresentadas sobre sua conduta".

No final da curta nota, Palocci disse que preferiu solicitar o afastamento por considerar que "a continuidade do embate político poderia prejudicar suas atribuições no governo". A nota de demissão foi protocolar, destas que costumam ser escritas quando um importante ministro sai.



Alfredo Nascimento
O presidente do PR estava à frente do Ministério dos Transportes desde o primeiro mandato de Lula

O ministro dos Transportes Alfredo Nascimento começou a perder o cargo quando a revista Veja veiculou em uma reportagem a denúncia de que haveria um esquema de cobrança de propina no Ministério dos Transportes e em órgãos ligados à pasta, como o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e a Valec Engenharia , estatal que administra as ferrovias.

Inicialmente, Nascimento recebeu o apoio de Dilma, que chegou a afastar o diretor-geral do Dnit, Luiz Antônio Pagot, o chefe de gabinete do ministério, Mauro Barbosa Silva, o assessor Luís Tito Bonvini e o presidente da Valec, José Francisco das Neves.

Em meio à crise, o Partido da República (PR), parte da base do governo Dilma, então, reuniu parlamentares do partido para fazer uma moção de apoio ao ministro e pedir que as denúncias fossem investigadas. A avaliação, na época, era de que a crise não acabaria com o mal-estar no partido e os parlamentares do PR entenderam que houve quebra de confiança com o governo.

Presidente nacional do PR, Nascimento (AM), que havia sido ministro dos Transportes nas duas gestões de Lula, pediu demissão no início de julho. Paulo Sérgio Passos, até então secretário-executivo dos Transportes assumiu a pasta. Depois de um embate com a bancada de senadores do partido, o presidente nacional do PR, senador Alfredo Nascimento, anunciou da tribuna “declaração de independência” do partido da base de sustentação do governo no Congresso.O PR chegou a sair da base aliada do governo, mas nem chegou a votar contra o governo e voltou à base governista.

Corrupção nos Transportes desviou R$ 682 mi, aponta auditoria da CGU

BRASÍLIA - O esquema de corrupção nos Transportes provocou um prejuízo de pelo menos R$ 682 milhões aos cofres públicos, segundo relatório de auditoria divulgado ontem pela Controladoria-Geral da União (CGU). O documento só faz recomendações, mas aponta 66 irregularidades em 17 contratos e licitações, cujos valores chegam a R$ 5,1 bilhões.

A auditoria menciona indícios de conluio, precariedade dos projetos, preços excessivos, serviços não executados, adulteração em medições de obras, direcionamento em concorrência, entre outros problemas. A CGU cita comportamentos "permissivo", "omissivo" e "doloso". Houve prejuízos em obras de seis rodovias federais e irregularidades em outras duas.

A situação da BR-101, segundo a CGU, evidencia "o descaso", "a falência do modelo de supervisão de obras" e a "conivência da fiscalização". Na mesma rodovia, no Espírito Santo, foram usadas fotos idênticas da estrada em diferentes medições.

Já na BR-116/RS, o prejuízo foi de R$ 101 milhões em decorrência de "irregularidades graves" na duplicação. Dois casos revelados pelo Estado em julho, que somam cerca de R$ 50 milhões, foram auditados e as irregularidades, incluindo favorecimento nas licitações, confirmadas.

O relatório da controladoria é resultado de uma reação do governo tomada em julho para estancar a crise que derrubou o então ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, e pelo menos 27 pessoas. Na época, acuada pela onda de denúncias, a presidente Dilma Rousseff determinou que a CGU entrasse no caso para dar uma resposta pública aos indícios de corrupção no ministério, nas mãos do PR desde o governo Luiz Inácio Lula da Silva.

Diante do resultado que confirma as irregularidades e o possível desvio de mais de meio bilhão de reais, a CGU tentou blindar Nascimento e o hoje titular da pasta, Paulo Passos. Em nota emitida ontem, o órgão disse que o ex-ministro deu "pleno apoio" à auditoria e o atual "deu orientação expressa aos órgãos do ministério para facilitar o pleno acesso dos auditores a toda a documentação, processos e arquivos necessários".



Nelson Jobim
Uma das heranças de Lula, ministro enfrentou algumas polêmicas e saiu após declarações inflamadas

O gaúcho Nelson Jobim foi o terceiro ministro a cair no governo Dilma Rousseff. Ex-titular da Defesa desde a gestão Lula, deixou o cargo depois de declarações polêmicas sobre colegas de ministério. Em agosto, chamou Ideli Salvatti, das Relações Institucionais, de “fraquinha” e disse que nova a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, “sequer conhece Brasília”. Antes disso,  já havia declarado que votou em José Serra na eleição de 2010. Para o seu lugar, foi chamado Celso Amorim, que garantiu continuidade na linha de atuação.

Formado em Direito, Jobim participou do governo Fernando Henrique Cardoso, primeiro como ministro da Justiça e depois como ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), onde chegou à presidência no primeiro mandato de  Luiz Inácio Lula da Silva. Uma das heranças de Lula, Jobim estava à frente do Ministério da Defesa desde 2007 e permaneceu no cargo no governo Dilma a pedido do ex-presidente.

Sua gestão à frente da Defesa também foi marcada pelo impasse em relação à compra, pelo Brasil, de aviões militares. Jobim manifestou-se a favor da compra de caças franceses em 2009, mas um corte orçamentário determinado pelo governo e a queixa de países concorrentes fez com que a negociação tenha sido suspensa.

A carreira política do ex-ministro começou em 1987, quando foi eleito deputado federal  pelo Rio Grande do Sul. Participou, também, da  Assembleia Constituinte. Acusado de ser favorável aos tucanos, acabou se isolando no governo. Polêmicas a parte, as declarações finais de Jobim foram o estopim para a saída já prevista por muitos. "A saída de Jobim foi a crônica de uma morte anunciada", comentou o ex-ministro Ciro Gomes (PSB).



Wagner Rossi
Ministro não aguentou pressão e saiu após denúncias de tráfico de influência e corrupção na pasta

O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, foi a quarta baixa do governo de Dilma Rousseff. O pedido para sua saída foi potencializado depois que a imprensa veiculou denúncias de corrupção na Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), órgão ligado à pasta, envolvendo contratos e favorecimento de fornecedores em troca de financiamento de campanha e tráfico de influência no ministério.

Ao contrário do que fez com o ministro dos Transportes Alfredo Nascimento, do PP, a presidente Dilma Rousseff, manifestou apoio a Rossi e pediu que o ministro fizesse uma "faxina" nos cargos da Conab entregues a afilhados políticos, trocando-os por técnicos. Rossi chegou a afastar o diretor do programa de desenvolvimento da Secretaria de Cooperativismo, o seu assessor especial e o procurador-geral da Conab.

Além de irregularidades na Conab, pesava sobre o ministro a acusação de tráfico de influência na pasta. Outra denúncia dizia que o lobista Júlio Fróes teria à sua disposição uma sala no Ministério da Agricultura para articular negócios. Depois foi revelado que Rossi viajou num jatinho da Ourofino Agronegócio, empresa que vende vacinas para a febre aftosa desde 2010 e tem outros negócios com o governo federal. A empresa contestou as acusações.

Sob pressão, o ministro então divulgou nota de esclarecimento sobre o uso de jatinho por parte dele e um de seus filhos, o deputado estadual Baleia Rossi (PMDB-SP), para viagens particulares. Na nota, Rossi informa que "em raras ocasiões" utilizou "como carona o avião citado na reportagem" e descarta favorecimento à empresa.

Ao deixar oficialmente o Ministério da Agricultura, o ex-ministro Wagner Rossi fez rasgados elogios à presidente Dilma Rousseff, pela "extraordinária condução" de sua substituição. "Não me faltou em nenhum momento apoio, apreço e generosidade para condução da sucessão", afirmou Rossi, no discurso de posse do sucessor, Mendes Ribeiro.



Pedro Novais
Ministro acumulou denúncias de nomeação de apadrinhados e uso de verba pública para fins pessoais

Última vítima da faxina de ministros da presidente Dilma Rousseff, Pedro Novais saiu da pasta do Turismo após nove meses e uma série de escândalos. A maioria das denúncias diz respeito à nomeação de apadrinhados e uso de verba pública para fins pessoais. Seu substituto no ministério é outro peemedebista maranhense aliado de Sarney, o deputado  Gastão Vieira.

O estopim para sua queda foi o fato de ter contratado um servidor da Câmara de Deputados para ser motorista particular de sua esposa, Maria Helena de Melo, que não é funcionária da Casa. Também circulou na imprensa que o ex-ministro pagou com dinheiro público, entre 2003 e 2010, enquanto era deputado, o salário da governanta de seu apartamento em Brasília. Doralice Bento de Sousa, de 49 anos, foi nomeada por Novais para o cargo de secretaria parlamentar.

Outro caso que impactou negativamente a imagem do maranhense foi o pagamento da conta de um motel, no valor R$ 2.156, com dinheiro da Câmara. Ele chegou a devolver o dinheiro no final de 2010, afirmando ter cometido um erro.

No Ministério da Turismo, houve a prisão, em agosto, do número dois da pasta, o secretário-executivo Frederico Silva da Costa. Ele foi preso na operação Voucher por auxiliar e acobertar um esquema de fraudes em convênios do ministério, o que também respingou em Novais.

Depois de entregar a carta de demissão, em 14 de setembro, voltou para a Câmara dos Deputados, onde cumpre seu sexto mandado consecutivo.



Orlando Silva
Denúncias de fraude no Ministério do Esporte levaram à queda do ministro

O ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, afirmou na quarta-feira, 26, que  Orlando Silva (PCdoB) não é mais ministro do Esporte. Orlando se viu envolvido em uma série de denúncias de fraude quando o Estado revelou, em fevereiro de 2011, que o principal programa do ministério, o Segundo Tempo, teria se transformado em um instrumento financeiro do PCdoB, partido de Orlando Silva. Sem licitação, o ministro teria entregado o programa a entidades ligadas ao partido, cujos contratos com essas ONGs somariam R$ 30 milhões só em 2010.

O estrago ficou maior à medida que citados no caso começaram a aparecer. Em entrevista à Veja, o policial militar e ex-militante do PCdoB, confirmou o favorecimento do partido nos contratos e afirmou que o ministro recebeu pessoalmente remessas de dinheiro do esquema. Orlando Silva colocou então seus sigilos à diposição e pediu à PF que o investigasse. Depois, compareceu em comissões na Câmara e no Senado para dar suas explicações e, por fim, disse que a Advocacia-Geral da União (AGU) iria impetrar uma queixa-crime contra o policial militar João Dias Ferreira e o motorista Célio Soares Pereira.